Teoria das Cores: entenda os conceitos e características das cores

A teoria das cores engloba todos os estudos relativos a como as cores afetam a vida dos seres humanos – seja no campo da ciência, com o estudo fisiológico da cor, seja no campo das artes e da comunicação, com o uso de cores como meio de expressão.

Em nosso cotidiano, vemos e usamos as cores todo o tempo, e compreender um pouco desse universo nos ajuda a melhorar a comunicação de uma marca, projeto ou peça por meio do visual.

Não importa se você vai usar esse conhecimento para escolher as cores para uma peça de design, de uma marca, de um ambiente que queremos decorar ou mesmo a combinação de roupa ou maquiagem para um evento importante. 

Neste artigo, vou apresentar um panorama geral do estudo da teoria das cores  para que você entenda como as cores influenciam nossa percepção de mundo, nossas emoções e decisões.

Então bora lá:

Como vemos as cores:
cor-luz x cor-pigmento

O estudo de cores é bastante antigo: Isaac Newton contribuiu, no século XVII, com a descoberta do espectro visível de luz. 

Ele usou um prisma triangular e observou que, ao passar um feixe de luz branca pelo prisma, a luz de dividia em sete cores: vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta – as cores do arco íris. Este é o fenômeno da difração.

Foi a partir desse experimento que Newton concluiu que o arco-íris é um fenômeno que acontece quando a luz do sol atravessa partículas de água. 

Não vou me alongar muito nesse assunto, mas precisamos diferenciar os  dois “tipos” de cores: as cores-luz, que são as cores emitidas pela luz.

E as cores-pigmentos, que são físicas, palpáveis, aquelas das tintas e dos corantes. São as cores que podem ser extraídas da natureza, seja de fontes minerais, vegetais ou animais.

O prisma de Newton se tornou símbolo de um dos álbuns mais vendidos na história - Dark Side Of The Moon (1973), da banda inglesa Pink Floyd.

Modelos de Cor: aditivo e subtrativo

Os modelos de cor se diferenciam conforme a origem da cor: nos modelos aditivos, como o RGB, a soma das cores resulta no branco.

E isso somente acontece com cores-luz, que é o caso das telas de TV, smartphones e computadores que usamos diariamente.

Já as cores subtrativas, como o CMYK usado nas gráficas, o branco é considerado a ausência de cor (o papel) e o preto é a soma das cores primárias.

Diferentemente do RGB, o padrão CMYK não emite luz, mas sim absorve: para formar uma nova cor, são removidos componentes das cores primárias, que são o amarelo, o azul e o magenta.

Por exemplo, se você misturar uma tinta vermelha com amarela, obterá a cor laranja – é como se o amarelo “roubasse” as características do vermelho. Ou quando se mistura o azul e o vermelho, formado o violeta.

Cores aditivas
Cores subtrativas

O círculo cromático

O círculo cromático é um instrumento valioso para apreender a teoria das cores e para uso no cotidiano de quem trabalha com cores.

Composto por 12 cores – sendo três primárias, três secundárias e seis terciárias -, é possível usá-lo para combinar cores de diversas formas, como veremos mais a frente. 

As cores do círculo cromático são: vermelho, amarelo, azul, laranja, verde, roxo, vermelho-arroxeado, vermelho-alaranjado, amarelo-alaranjado, amarelo-esverdeado, azul-arroxeado e azul-esverdeado.

Círculo cromático

Cores primárias, secundárias e terciárias

As cores são divididas em três categorias: as cores primárias, que não podem ser obtidas pela mistura de outras cores, são o vermelho, o azul e o amarelo.

Já as cores secundárias, são aquelas que se obtém a partir da mistura de duas cores primárias. São elas: o laranja (amarelo + vermelho), o verde (azul + amarelo) e o violeta (azul+vermelho).

Por fim, as cores terciárias, que são resultado da mistura de uma cor primária a uma secundária. 

Na verdade, visto que as cores secundárias são obtidas a partir de duas cores primárias, as terciárias também o são, porém em proporções diferentes. Ficou confuso? Vou explicar melhor:

  • Vermelho-arroxeado = vermelho + violeta (azul + vermelho);
  • Vermelho-alaranjado =  vermelho + laranja (amarelo + vermelho);
  • Amarelo-esverdeado = amarelo + verde (amarelo + azul);
  • Amarelo-alaranjado amarelo + laranja (amarelo + vermelho);
  • Azul-arroxeado = azul + violeta (azul + vermelho);
  • Azul-esverdeado = azul + verde (amarelo + azul).
Cores primárias
Cores secundárias
Cores terciárias

A temperatura das cores

Outra forma de categorizar as cores é pela temperatura: cores quentes e frias. Esse é um conceito simples da teoria das cores, porém muito útil: as cores comunicam muita coisa e, por isso, devem ser condizentes com a mensagem que se quer passar.

De um lado, estão as cores quentes, que são aquelas que nos transmitem calor – o amarelo, o vermelho e o laranja. Essas são cores do fogo e do sol. Elas transmitem energia positiva e são usadas para refletir paixão, felicidade, entusiasmo.

Do outro estão as cores frias, que são o azul, o verde e o violeta. Essas cores transmitem mais confiança, segurança, calma e tranquilidade.

É importante ressaltar que, apesar das cores já possuírem qualidades inatas, o contexto em que estão inseridas podem alterar nossa percepção e experiências com a cor.

Cores quentes
Vermelho-laranja-amarelo é o acorde do calor e da energia.
Cores frias
Como na natureza, as cores frias transmitem a sensação de calma e tranquilidade.

Cores quentes

Vermelho

O vermelho, cor do sangue e da vida, do ódio e da paixão, é uma cor agressiva, que domina o espaço onde está presente. É uma cor muito material, e sempre parece muito próxima de quem a observa.

Contudo, é importante frisar que o vermelho deve ser usado com discernimento; deve servir a seu propósito sem, no entanto, apagar as demais cores ou informações de um design.

Laranja

O laranja, que combina características do vermelho e do amarelo, é uma cor extremamente vibrante, enérgica e positiva, sem ser tão dominante quanto o vermelho. Também nos lembra as folhas de outono, por isso reflete movimento e mudança. É uma cor ligada à criatividade, saúde e vitalidade.

Amarelo

O amarelo, a cor da luz e da iluminação, é a mais clara entre as cores, associado à felicidade e ao otimismo. É também uma cor muito instável e pode ser associado à covardia.

O amarelo é pontudo como um triângulo e tem o sabor dos ácidos, como afirma Eva Heller em “A Psicologia das Cores”. Seu uso, de forma pontual e moderada, pode valorizar uma peça; em demasia, pode ser extremamente estridente.

O vermelho é a cor das paixões e domina onde quer que esteja.
A cor laranja só passou a ser efetivamente uma cor quando os europeus decobriram a existência da fruta laranja.
O amarelo é a cor mais clara de todas, remetendo à luz e iluminação.

Cores frias

Azul

O azul, a mais fria e distante entre as cores, é a cor do céu, do infinito, do divino. O azul é feminino, pertence aos sentimentos bons, à honestidade e à fidelidade.

“Cor da simpatia, harmonia, confiança e amizade – bons sentimentos que só se comprovam no longo prazo, florescendo, em geral, com o passar do tempo e tendo sempre como base a reciprocidade”, afirmou Eva Heller em seu livro “A Psicologia das Cores”.

Verde

O verde, a cor mais natural de todas, transmite estabilidade, harmonia e abundância. Também representa inícios e crescimento. Por outro lado, pode representar inveja e inexperiência. Verdes claros são mais enérgicos e vibrantes, enquanto o verde escuro é o mais estável e representativo de riqueza.

Violeta

Por fim o violeta, a cor mais rara de se ver na natureza, a mais antinatural entre as cores. Antigamente era a cor exclusiva da realeza, sinônimo de poder e de luxo.

Sendo a combinação do vermelho e do azul, o violeta possui atributos de ambos. É associado à fantasia, criatividade, imaginação e magia. Em tons mais claros se torna o lilás, que remete ao que é romântico, feminino.

O violeta é muito empregado em produtos de higiene e beleza, muitos que possuem aromas de “lavanda” e são voltados ao público feminino.

Efeito de perspectiva aérea criado pelo contraste do tons de azul.
Como uma planta brotando, o verde representa a vida e o crescimento.
A cor mais rara na natureza, representa poder e luxo.

O preto, o branco e as cores neutras

Muito usadas no design como background, o significado das cores consideradas neutras é bastante influenciado pelas cores que as acompanham. Transmitem sofisticação em designs compostos apenas por elas, seja aplicado ao digital ou no offline. 

Preto, branco, bege, marrom, creme e marfim são cores neutras, muito usadas como background.

Preto

Considerado a mais forte entre as cores, o preto carrega um dualismo de significados. Ele é elegante, formal, misterioso e associa-se ao poder, ao mal e à morte; é a cor do luto no Ocidente, a cor do Halloween, o lado negro da força. Mas também é a cor da funcionalidade e da neutralidade.

No design, o preto é bastante empregado em textos por sua excelente legibilidade. Mas também é usado em peças para transmitir a sofisticação e o mistério. O preto é uma cor versátil, que pode representar o moderno e o tradicional, o conservador e o inconvencional.

Branco

O branco é a cor associada ao que é puro, limpo, virtuoso. É a cor das noivas, da saúde e dos anjos. Tudo isso no mundo ocidental, que tem o branco como ideal de beleza. No Oriente, o branco é associado à morte e é a cor do luto.  

Ele é muito usado como fundo neutro para outras cores que irão expressar a mensagem que se quer passar.  A cor branca ajuda a transmitir as sensações de limpeza e simplicidade.

Cinza

Cinza é uma cor neutra, geralmente considerada no extremo do lado frio do espectro de cores. Pode ser considerada melancólica ou depressiva. O cinza claro pode ser usado no lugar do branco em alguns designs, e o cinza escuro no lugar do preto.

Ele é geralmente conservador e formal, mas também pode ser moderno. É comumente usada em designs corporativos, onde formalidade e profissionalismo são elementos-chave. 

Pode ser uma cor bastante sofisticada. Cinza puro são sombras de preto, apesar de que alguns cinzas podem ter as cores azul ou marrom misturadas a eles. No design, fundos cinza são muito comuns, assim como tipografia cinza.

O preto é extremamente versátil, representando do moderno ao tradicional. Coco Chanel (foto) imortalizou o preto na moda feminina, com a criação do "pretinho", vestido curto para várias ocasiões.
Além de fundo neutro para imagens, o branco transmite pureza e simplicidade.
O cinza - do claro ao escuro - é muito usado em composições, transmitindo formalidade.

Marrom

Marrom é associado com o natural, nos remetendo à terra e à madeira. É considerado um neutro quente. Marrom pode ser associado com confiabilidade, segurança, firmeza e com o que é terreno. Por outro lado, pode ser considerado uma cor maçante.

No design, marrom é comumente usado como cor de fundo e muito visto em texturas de madeira ou pedra. Ele ajuda a trazer um sentimento de calor e integridade para os designs. Às vezes é usado na sua forma mais escura como substituto para o preto, seja em fundos ou na tipografia.

Bege

O bege é uma cor única do espectro de cores, pois ele pode ter um tom mais frio ou quente, dependendo das cores que o cercam. Ele tem o calor do marrom e a frieza do branco. Como o marrom, muitas vezes é visto como chato, entediante. É uma cor conservadora na maioria das vezes, geralmente reservada para fundos. Também pode simbolizar piedade.

No design, é geralmente usado para fundos, principalmente para criar uma textura de papel. Ele irá sempre pegar as características das cores que o acompanham, pois ele tem pouco efeito sozinho na impressão final que o design passará quando usado com outras cores.

Marfim e Creme

O marfim e o creme são cores sofisticadas, com um pouco do calor do marrom e muito da frieza do branco. Eles são geralmente quietos, e podem evocar um senso de história. Marfim é uma cor calma, com um pouco da pureza associada ao branco, mas um pouco mais quente.

No design, marfim pode passar um senso de elegância e calma para um local. Quando combinado com cores da terra, como pêssego ou marrom, pega uma qualidade terrena. Também pode ser usado para clarear cores escuras, sem o contraste gritante do branco.

O marrom remete ao que é natural, transmitindo firmeza e confiança.
O bege é a união da frieza do branco com o calor do marrom.
Marfim e creme transmitem calma, conforto, aconchego e elegância.

Conceitos e termos da teoria das cores

Existem algumas características das cores, como sua saturação e seu tom, que influenciam na percepção que temos em relação a elas. Considero essa uma parte um pouco mais complexa da teoria das cores, pois muitos conceitos parecem estar falando sobre o mesmo aspecto e não estão.

De qualquer forma, conhecer os conceitos e termos nos ajuda a criar paletas de cores que funcionem e que transmitem os significados que queremos. E é com a prática que vamos absorvendo melhor esse conhecimento.

Abaixo você confere esses conceitos:

Matiz é o termo mais básico das cores se refere à cor de um objeto. Quando dizemos “azul”, “verde” ou “vermelho”, estamos falando sobre o matiz. Os matizes que se usa em um design transmitem mensagens importantes para os visitantes de seu site.

Croma se refere à pureza de uma cor. O matiz com alto croma não possui preto, branco ou cinza adicionado a ele. Inversamente, adicionando branco, preto ou cinza reduz o croma. É similar à saturação, mas não é o mesmo. Croma pode ser pensado como o brilho de uma cor em comparação ao branco.

No design, é bom evitar usar matizes que possuem cromas similares (mas não idênticos). Opte por matizes com cromas que são exatamente os mesmos, ou pelo menos um pouco distantes entre si.

Saturação se refere a como um matiz aparece sob condições específicas de luz. Pense na saturação em termos de fraco x forte ou matiz pálido x matiz puro.

No design, cores com níveis de saturação similares proporcionam uma aparência mais coesa. Assim como o croma, cores com saturação similar, mas não idêntica podem ter um efeito estridente.

Valor também poderia ser chamado de “iluminação”. Se refere a como uma cor é clara ou escura. Cores claras possuem altos valores. Por exemplo, laranja tem um valor mais alto que o azul marinho ou o roxo escuro. Preto tem o valor mais baixo entre os matizes, e o branco o maior valor.

Quando aplicando valores nas cores de seu design, favoreça cores com valores diferentes, especialmente aquelas com alto croma. Valores de alto contraste geralmente resultam em designs mais agradáveis esteticamente.

Tons são criados quando se adiciona cinza a um matiz. Tons são geralmente mais tediosos e suaves que as cores puras. Eles são mais fáceis de usar no design – mais cinza passa a impressão vintage para um site. Dependendo dos matizes, o cinza também adiciona sofisticação e elegância à aparência.

Uma sombra é criada com a adição de preto a um matiz, fazendo-o mais escuro. É comum encontrar o uso incorreto de shades para descrever tint ou tone, mas tecnicamente sombra somente se aplica para matizes escurecidos pela adição de preto.

No design, shades muito escuras são às vezes usadas no lugar do preto e podem servir como cores neutras. Combinando shades com tints ou cores neutras claras ajuda a evitar a aparência muito escura e pesada.

Tint é formado quando se adiciona branco a uma cor, clareando-a. Cores muito claras são normalmente chamadas pasteis, mas qualquer cor pura com branco adicionado é tecnicamente a tint, mesmo de a cor continua brilhante. Tints são muito usados para criar designs femininos e claros. Cores pasteis são especialmente usadas para criar designs mais femininos, mas também existem muitos sites usando pastel uma aparência mais masculina e até neutra em questão de gênero. Eles também funcionam bem no estilo vintage e são populares em websites voltados para pais de bebês e crianças.

Espero que este conteúdo sobre a teoria das cores possa te ajudar trabalhar ainda melhor com as cores em seus projetos. Veja também nosso post para aprender a combinar as cores com harmonia.

Nathália Quintão

Nathália Quintão

Designer especialista na criação de identidade de marcas.